quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Sapatos & Pedras


Eu te reconheci
pelo cheiro dos sapatos molhados
de fogo.
Aquele cheiro dos sapatos
queimando em água
. A água da vida,
dela vimos, para ela voltaremos
com o querido carbono angélico,
com as queridas flores,
flores de
morte e vida,
há tantos augostos
. Mas não des
viarei, mesmo sem
tempo de ser sint
ético. Vou pelas beiradas
feito bugres de barros.
Um grande beijo às pedras no sapato.
Essas pedras têm outro lugar
: dentro de mim.
Dentro de mim
, sapatos e pedras cantantes.