sábado, 31 de julho de 2010

Correntes


Quando o ódio chega
Com ele vêm as aflições
E eu tenho que explodir
Para renascer em novos corações

Eu não vou sorrir
Estou caindo na eterna depressão
Passo pelas mãos alheias
Eu não vos amo, não

As correntes escuras, ela chega
É a minha melhor companheira
Nunca se esquece de mim
Somos melhores amigos
Desde minha infância
Dor, eu te amo
Dor, eu te amo
Dor, eu te amo

(...)


E eu vou renascendo, para
cair de novo em ti, para
sentir tuas correntes me envolvendo, para
sentir meu sangue escorrendo, pára



Já não se pode parar
Dor, minha melhor companheira

Ass.: Lucas Wagner Brígido Feitosa! ( _______L.W.!)

2 comentários:

  1. Parabéns você é um poeta fabuloso!

    ResponderExcluir
  2. Obrigado, muito obrigado mesmo...
    Você não sabe como essas palavras me fazem sentir feliz...

    ResponderExcluir